Pato no Tucupi – O mais paraense dos pratos

Pra espantar o friozinho
22 de junho de 2014
Macarrão com Parma, Abobrinha e Cogumelos
24 de junho de 2014
Mostrar todos

Se existe um prato que representa a culinária do estado do Pará (e da região Norte do Brasil, porque não?), este prato é o Pato no Tucupi. Considerado o “Prato do Círio de Nazaré”, uma das maiores manifestações religiosas do Brasil, onde mais de 2 milhões de pessoas participam da homenagem a Nossa Senhora do Nazaré, padroeira da Amazônia, a receita ganhou adeptos pelo Brasil inteiro.

Pato no tucupi

Domingo foi dia de preparar esta delícia aqui em meu espaço, dividindo com amigos sempre queridos e bem vindos. Encontrei o tucupi na feira gastronômica de Curitiba, na banca da Amazônia, assim como o jambu (erva típica da região amazônica). Infelizmente o jambu é vendido congelado, o que faz perder a coloração verde, ficando mais escuro. Tirando este porém, é um prato delicioso, diferente e que com certeza agradará a todos.

Pato no tucupi 1

Deixei a receita mais adaptada para o gosto de nossa região. Utilizei salsa picada ao invés de coentro. Caso você queira ser mais fiel à receita original, utilize o coentro.

Pato no Tucupi

por 23 de junho de 2014

  • Tempo de Preparo : 2h 00 min
  • Tempo de Forno : 20 minutes
  • Porções : 4 porções

Ingredientes

Modo de Preparo

Prepare uma vinha d'alho com a cebola, sal, alho, azeite, vinagre, suco de limão, pimenta-do-reino e salsa picada. Passe por todos os pedaços de pato e deixa marinando de um dia para o outro.

Coloque o pato em uma assadeira e derrame a vinha d'alho por cima. Cubra com papel alumínio e leve para assar em forno preaquecido (160°) por 2 horas, até dourar.

Em uma panela grande, ferva o tucupi por 20 minutos (o ácido presente irá volatizar). Tire o tempero do pato e junte ao tucupi, juntamente com o jambu. Deixe ferver por 10 minutos.

Sirva acompanhado de arroz.

Pato no tucupi 2

Print

[box type=info]Tucupi é o líquido amarelo, resultado do longo cozimento da manipueira, que é o suco extraído da raiz da mandioca-brava, ralada e espremida. Este suco, antes de fervido, contém ácido cianídrico, veneno que se evapora durante a ebulição. É considerado o único molho de origem exclusivamente brasileira.[/box]

Print Friendly, PDF & Email
Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: