Quirerinha Lapeana

Domingo de almoço tropeiro por aqui. O prato da vez foi a Quirerinha Lapeana. Desta vez com dois tipos de costelinha: fresca e defumada.

Quirera, o milho quebrado, era um ingrediente típico dos tropeiros que passavam pela cidade da Lapa, distante 60 Km de Curitiba. Quando cozido, toma a aparência de um mingau.  As carnes mais usadas pelos tropeiros eram as salgadas e defumadas, tanto pelo sabor como pela maior conservação. A costelinha defumada virou acompanhamento típico da quirera, sendo até hoje a combinação mais preparada. Eu optei por uma mistura da defumada com a fresca.

A quirerinha alcançou uma posição de destaque na gastronomia interiorana do Paraná. Cozida em caldo caseiro, em panela de ferro (se possível), foi tomando o gosto dos paranaenses e hoje chega a brilhar em cardápios de restaurantes mais refinadas.

É um prato único, aceitando uma salada, no máximo. Um prato que traz até a mesa toda uma história dos tempos que o Paraná era desbravado pelos tropeiros.

Quirerinha Lapeana é um prato delicioso. De preparo fácil, uma excelente opção para um almoço em um dia mais frio.

Quirerinha Lapeana

Ingredientes

  • 1/2 Kg Quirera de milho
  • 700 g Costelinha suína defumada
  • 800 g Costelinha suína fresca
  • 2 unidades médias Cebola picada
  • 3 dentes Alho picado
  • 1 ramo Manjerona fresca picada
  • À gosto Cheiro-verde salsa e cebolinha
  • 2 Litros Caldo de galinha caseiro
  • À gosto Sal e pimenta-do-reino
  • 2 colheres sopa Óleo de girassol

Instruções

  1. Deixe a costelinha defumada de molho em água de um dia para o outro.
  2. Aqueça uma panela funda (de preferência de ferro), coloque o óleo e refogue a cebola e o alho por 1 minuto. Junte as carnes e deixe fritar até tomar cor.
  3. Coloque o caldo de galinha e cozinhe por 1 hora (ou até as carnes amolecerem). Retire e reserve. Adicione a quirera (lavada) ao caldo da panela e cozinhe por 20 minutos, mexendo sempre. Tempere com o sal e a pimenta. Ponha a manjerona e verifique o ponto. A quirera deve estar al dente e úmida.
  4. Para finalizar, volte as carnes, coloque o cheiro-verde e deixa aquecer. Sirva bem quente.

Orlando Baumel

Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Este post tem 2 comentários

  1. aqui na minha cidade usamos isso ai pra jogar pras galinhas e pros porcos comerem…. a diferença é que tem fazendeiro que usa a quirera do milho junto com a quirela do arroz pra ficar mais forte ainda..

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu