Chalá – O pão abençoado

Chalá é um pão tradicional da cultura judaica. É servido nos feriados religiosos e no Sabá. O termo Chalá significa oferenda em hebraico. Tem origem no século III a.C. Eram assados pelos judeus para serem levados ao templo.

Um pouco de história

Quando os judeus se encontravam no deserto, após a saída do Egito, não tinham o que comer, pois o pequeno suprimento de matsá que tinham trazido já havia se esgotado. Então D’us mandou uma porção diária de Maná, uma comida que caia do céu, em porções individuais para cada pessoa.

O Maná continha a propriedade de satisfazer “a todos os gostos” – qualquer sabor que se desejava ou mesmo se imaginava o Maná oferecia. Na sexta-feira nossos antepassados recebiam uma porção dobrada de Maná, pois no Shabat não é permitido carregar algo do campo para o lar. Assim para comemorar este fato, ao invés de iniciar as refeições de Shabat e Yom Tov com pão comum, fazemos a bênção sobre um par de Chalot.

Quando o Maná caía no solo ele permanecia fresco, pois estava “forrado” por uma camada de orvalho por baixo e por cima. Este é um dos motivos por que colocamos as Chalot sobre um prato ou travessa, e sobre elas, uma cobertura especial decorada.

Deduz-se da descrição bíblica que o Maná lembra em sua aparência sementes brancas de papoula. É por isso que muitos costumam espalhar sobre a Chalá sementes de papoula (ou de gergelim).

Pão Chalá

Os doze pães

O Mishcan (Tabernáculo) portátil no deserto, e mais tarde o Templo Sagrado na terra de Israel, era a Casa de Serviço a Deus. Lá havia diferentes utensílios representando diferentes tipos de Serviço. Lá estava a Arca com os Dez Mandamentos e a Primeira Torá escrita; a Menorá de azeite que era acesa a cada dia, representando a luz da Torá; os dois Altares usados para a queima do incenso e sacrifícios; e também a Mesa, representando as necessidades físicas (como comida), pelas quais lembravam a dependência da Vontade e Graça de Deus.

A Mesa tinha sobre si 12 prateleiras abertas. Cada prateleira representava uma das doze tribos de Israel. Cada sexta-feira os Cohanim (sacerdotes) assavam doze pães, e no Shabat trocavam esses pães por aqueles assados na semana anterior. Apesar de passada uma semana, os pães permaneciam frescos e quentes, tal como novos, e eram comidos pelos Cohanim no Shabat. Este milagre é mais uma relação entre a Chalá e o Shabat.

Chalá no Shabat  faz recordar estes dois milagres: o milagre do Maná é recordado quando é feita a bênção sobre duas Chalot inteiras, enquanto que o intricado número de tranças de cada Chalá – seis, perfazendo um total de doze – traz à memória o milagre dos pães no Templo.

Fonte: http://www.chabad.org.br

* Pães trançados são feitos geralmente com 3 ou 4 tiras de massa. Chalás mais incrementados podem ter até 12 tiras.

Chalá

Tempo de Preparo 2 hours
Cook Time 40 minutes
Tempo Total 2 hours 40 minutes
Porções 2 pães

Ingredientes

  • 560 g mais, se necessário Farinha de trigo
  • 250 ml Água morna
  • 60 ml Azeite de oliva
  • 3 colheres sopa Açúcar
  • 15 g Fermento biológico
  • 2 unidades Ovos
  • 2 colheres chá Sal
  • 1 colher sobremesa Sementes de papoula (ou gergelim preto)

Instruções

  1. Dissolva o fermento na água morna. Misture o sal e o açúcar com a farinha. Em uma tigela grande, faça um monte com a farinha e abra um buraco no meio. Coloque os ovos, o azeite e metade da água com o fermento.
  2. Mexa com as mãos para misturar tudo. Vá adicionando a água restante e misturando bem. Caso seja preciso, coloque mais farinha. Quando a massa estiver macia, leve para uma superfície enfarinhada e comece a sovar. segurando a massa com uma das mãos e estendendo-a em direção contrária com a outra mão. Trabalhe a massa por 5 ou 7 minutos. Caso ela fique pegajosa, polvilhe mais farinha na mesa de trabalho.
  3. Lave a tigela e pincele o fundo com manteiga derretida. Faça uma bola com a massa e coloque na tigela. Cubra com um pano e leve para crescer em local protegido por 1 hora e meia. Após este tempo, retire e trabalhe mais um pouco.
  4. Corte a massa em 6 pedaços iguais. Role cada pedaço com as palmas das mãos, deixando-os com 30 cm de comprimento. Prepare 2 pães, trançando cada um com 3 tiras de massa. Cubra e deixe crescer novamente por 50 minutos, já na assadeira untada com manteiga.
  5. Pincele os pães com uma mistura de gema de ovo e água. Polvilhe com sementes de papoula (ou na falta desta, com gergelim, como eu utilizei).
  6. Leve para assar em forno pré-aquecido em 190 graus por 35 - 40 minutos, até dourar.

Orlando Baumel

Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu