Uns dias atrás, meu amigo Dante Mendonça, grande escritor, pintor, chargista, entre outra artes, lembrou do Frango Crapudine servido no Bar Palácio, um dos mais tradicionais pontos de Curitiba. O Dante levantou a dúvida sobre a origem do nome Crapudine. Eu lembrei de Crapaudine, um frango que é aberto pelas costas para ser servido aberto. Na realidade não sei se Crapaudine é o nome do corte ou do prato feito desta maneira, mas como o frango do Palácio também é servido aberto pelas costas, ficou a lógica. Assim como tantos pratos que tiveram seu nome original abrasileirado, o Crapaudine virou Crapudine por aqui.

É uma maneira perfeita de preparar frango e outras aves, deixando a peça bem mais fácil de ser temperada e servida. O corte deve ser feito nas costas do frango, seguindo a “coluna” para depois abri-lo. Assistindo o vídeo abaixo fica fácil reproduzir em casa.

Conforme a conversa evoluiu, recebi do Dante a receita de seu Frango al Crist e tive de experimentar. O frango ficou divino, suculento e com a pele crocante, coisa meio difícil de conseguir se usamos a churrasqueira. Tão bom que quando eu pensar em frango na geladeira, usarei a mesma receita. Deixo como o Dante me enviou.

FRANGO AL CRIST

Para o saxofonista e cozinheiro Orlando Baumel, recuperei no blog do diretor de arte Lee Swain imagens e receita do meu “Frango al Crist”.

“Quando el maestro Crist (Cristóbal Reynoso, o cartunista do El Clarin de Buenos Aires que nasceu e ainda mora em Córdoba) veio nos visitar em Curitiba, desenhou no guardanapo a receita do seu “frango al limone”.

Na minha churrasqueira foi batizada de FRANGO AL CRIST. Trata-se de um frango inteiro limpo, sem miúdos, com meia jarra de limão, meio pacote de manteiga, sal e pimenta a gosto. Derreta a manteiga no fogo alto e, em seguida, acrescente o suco de limão, a pimenta e o sal (bastantinho). Misture bem e eis o molho para untar o frango. De vez em quando, para deixar a carne sempre úmida, com um pincel retoque a obra de arte do Crist.

Detalhe: estenda o frango na grelha como se fosse uma rã aberta e comece a assar com o osso para baixo. Vire apenas para dourar a pele. Uma hora de boa brasa e sirva com batatas coradas, salada verde, azeite da Toscana, pão, vinho e basta!”.

A propósito, o Dante Mendonça está com livro novo na praça. Vale muito a pena ter em casa, ainda mais nesta época “pandêmica”.

Orlando Baumel

Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu