Aqui pelo Paraná, a festa começa no dia 1 de dezembro e vai até o dia 14 de março, época que os fãs de caranguejos se refastelam em demoradas caranguejadas, sempre rodeado de fãs iguais. Caranguejadas são sempre um acontecimento, um evento que começa dias antes, na escolha dos convidados, lugar para comprar os caranguejos, revisão dos utensílios, já que estão sem uso faz mais ou menos 1 ano.

O ritual começa no cálculo de quantos caranguejos por pessoa você vai ter de comprar. Não existe uma fórmula mágica, só aquela que não pode faltar. Eu costumo pensar em 8 unidades por pessoa, acredito ser um bom cálculo, se bem que sempre sobra alguma coisa, mas melhor que sobre do que falte. Aí vem o gosto de cada um. Tem quem goste de caranguejos sem a carapaça e tem os que preferem inteiros. Tem os que exigem que sejam preparados vivos,  o que para mim é um tanto sádico. Prefiro que matem antes e pego metade sem a carapaça e a outra com a carapaça, deixando todo mundo feliz.

Aí vem a questão do tempero. Cada um, e isto é lei, tem a sua maneira de temperar a água para os caranguejos. Todo mundo tem uma maneira trazida desde o primeiro preparo de caranguejo. Eu uso cheiro-verde, folhinhas de louro, cebola, alho, sal, uma cerveja por panelão e alguns grãos de pimenta do reino. Até hoje ninguém reclamou, então utilizo sempre.

Depois dos bichinhos nas panelas, é a hora de esperar a transformação mágica em sua coloração. Quando começam a ficar rosados, você sabe que não vai demorar muito para começar a diversão.

Caranguejada para ser completa, tem de ter guarnições. O feijão preto, bem temperado e com o caldo na textura ideal, não pode faltar. Eu sempre servia salada só de pepinos, mas segui uma dica da Karoline Nogueira, nossa escritora da Coluna da K, e servi o pepino acompanhado de cebola.

Um vinagrete simples de tomate, cebola e cheiro-verde também é imprescindível.E aí outra dica da Karoline, o mesmo vinagrete,  mas turbinado com pimenta dedo-de-moça em cubinhos, molho de pimenta e o caldo do feijão. Uma delícia.

Na hora de comer, alguns apetrechos não podem faltar. A tabuinha e martelinho para abrir as garras maiores são fundamentais, não podem faltar, por mais que o caranguejo esteja “soltando” bem. Um pano para cada pessoa também é da maior importância. A lambança é grande e sem pano não tem como ficar feliz.

Claro que existem alguns acessórios bem mais chics para sua caranguejada. Garfinhos para catar a carne das garrinhas é um deles, assim como o quebrador das patolas, quase um quebra-nozes, mas que faz parte do kit caranguejada dos profissionais.

Com tudo pronto, tudo certinho, cervejas geladas, caipirinhas de várias frutas, amigos especiais e sem tempo para acabar, sua caranguejada está pronta e com tudo para ser inesquecível. É a hora de comer sem culpa e rir sem freio.

Também é a hora de combinar a próxima, pois quando a gente vê a temporada chega ao fim e caranguejo em sua mesa vai demorar um tanto. Caranguejos são uma delícia, mas tem de ter este tempo para que tenhamos sempre.

Orlando Baumel

Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fechar Menu