A conversa chegou na cozinha – Mané Young

Vieiras em Xerez
28 de outubro de 2014
Design e Alumínio
30 de outubro de 2014
Mostrar todos

Conheci o Mané Young em 2011 no evento Twitter Mix (um evento espetacular envolvendo tuiteiros do Brasil inteiro, onde função de redes sociais, cultura e arte se misturaram), em Bento Gonçalves, onde ministramos uma oficina de Gastronomia juntos. Ali nasceu uma amizade sincera, apesar da distância. Ele tocando seu buffet em Campos do Jordão e eu fazendo minhas coisas aqui em Curitiba.

No mesmo ano do Twitter Mix, fomos convidados para chefiar a Noite de Gala dos Vinhos e Espumantes Premiados, no Hotel Dallonder, também em Bento Gonçalves. Uma festa inesquecível para nós dois, por tudo o que fizemos, pelas amizades que cultivamos por lá e pelo convívio agradável na cozinha. O Mané comandou a Ilha de Ostras do evento com a competência de sempre.

Eu e Mane 1

Encontramo-nos outras vezes, sempre em Bento Gonçalves, onde ainda voltamos algumas vezes, além de mantermos contato através das redes sociais. Pessoa com uma cultura imensa e um bom humor invejável.

Hoje pela manhã, recebi uma mensagem me avisando do falecimento de meu amigo. O Mané se foi há mais de um mês, mais precisamente no dia 21 de setembro. Na última vez que nos falamos, ele me enviou uma seleção de textos de sua autoria intitulados A conversa chegou na cozinha”. Sempre imaginei as publicações do OBA Gastronomia com fotos, por isto ia deixando os textos para a próxima.

Hoje me redimo e  trago um dele aqui para vocês. Um texto que exprime bem como o Mané era, uma pessoa amante das tradições culinárias brasileiras. Levava isto a sério demais. De tempos em tempos trarei o restante do que recebi deste Chef fantástico. Com certeza “A conversa chegou no céu”.

NOSSA TERRA, O FEIJÃO E A FESTA

O feijão nos dá identidade, saudade, História. O feijão, rico em ferro, nos deu (e dá) a certeza da salvação nutricional do brasileiro. As lutas não foram e não são em vão, subnutrição e anemia hão de ser fatos passados.

O feijão nos dá a convicção do apoio à agricultura familiar. Essa leguminosa sempre foi cultivada em pequenas propriedades e em todo o país. Há tantas variedades, quanto nossas ricas diferenças culturais. Reforma Agrária, sim! Feijão também!  A terra é nossa. 

O feijão nos dá grãos, caldo e aromas, nos dá sabor e alegria. Em volta ao caldeirão, o almoço e as gargalhadas. Um arroz à parte, muita cerveja e um samba bom, Que coisa louca !

O feijão nos dá letras e músicas “…Quem não provou o famoso feijão da Vicentina, só quem é da Portela é que sabe que  a coisa é divina…”  O feijão nos dá farra e o rango de todo dia.  

Prato que começa cedo, o feijão nos convida ao fogo lento, ao preparo, à conversa, ao rádio, à caipirinha. O feijão nos dá a festa. Marque o dia, convide o povo e divirtam-se!

RECEITA DE FEIJÃO À  MODA DE PORTO FELIZ ( PRA 10 PESSOAS )

Este feijão maravilhoso, também chamado de Feijoada Cearense é curiosamente um prato típico de Porto Feliz, cidade do interior de São Paulo. É uma receita que recolhi por lá  criada pelo Dinho, um famoso cozinheiro da região,  que em uma pescaria na beira do Rio Sorocaba, em meio a muita cerveja gelada e nenhum peixe, resolveu colocar na panela tudo (e apenas) o que a dispensa permitia.

Originalmente, este prato é feito em fogo de lenha e panela de ferro, o que lhe dá um sabor especial. Mas o importante mesmo é o tempo de cozimento, no mínimo 12 horas de fogo lento. Sirva com arroz, farinha,  banana e um a boa pimenta ao lado.

INGREDIENTES:

500 g de feijão mulatinho

2 colheres ( de sopa) de azeite

500 g de cebola

500 g de tomate

500 g. de peito de boi fresco

5 folhas de louro

½  pimentão vermelho

½  xícara de salsinha picada

½  xícara de cebolinha picada

100 g de toicinho defumado picado ( opcional)

Sal a gosto

MODO DE PREPARO:

Este prato tem que ser cozido por um mínimo de 12 horas. Diz e lenda que o correto são 14 horas de fogo.  Não é necessário picar muito nenhum ingrediente, pois o tempo de cozimento fará que tudo se desmanche.  Como, provavelmente, ninguém vai passar a noite cuidando da panela, junto ao fogão, pode-se cozinhar na véspera por 6 horas, apagar o fogo e retomar o processo no dia seguinte, bem cedinho. Vale a pena !

Porto Feliz e a vizinha Cerquilho  tem alambiques e cachaças excelentes. Sou prova viva da qualidade.

Mané Young

Eu e Mane 2

Valeu, meu amigo Mané Young! Grande honra ter te conhecido!

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *