Tempo de Caranguejos

Entrando no clima do Natal
15 de dezembro de 2013
Pãezinhos de Bacon – Regina Franco
17 de dezembro de 2013
Mostrar todos

Quando chega o comecinho de dezembro aqui pelo sul do Brasil, acaba a época do defeso do caranguejo e os aficionados pela carne branca, suave e deliciosa destes bichinhos não muito bonitos começam a ficar tremendamente impacientes. É hora de chamar amigos, reativar tabuas e martelinhos e marcar a primeira Caranguejada da temporada.

Caranguejada não é um evento para pouco tempo. O mínimo necessário é uma tarde inteira. Caranguejo deve ser comido sem pressa nenhuma, com  a pressa e indolência típica dos caiçaras. Não que isto seja um defeito, ao contrário. Tem como fazer algo com pressa depois de todo o trabalho de pesca, limpeza de pescados, entre outros afazeres? Coloque aí a caça ao seu caranguejo. No meio do mangue, eu garanto, não é a tarefa mais agradável de se praticar.

Certos utensílios básicos são fundamentais em uma Caranguejada. Uma panela de bom tamanho, que caiba por volta de 6 dúzias de caranguejos, é bem vinda. De preferência alta. Uma boa boca de fogão também é imprescindível. Eu sugiro para quem curte caranguejos investir em um fogãozinho de alta pressão, de duas bocas. É um investimento barato e vai te servir para muita coisa.

Caranguejo

Tabuas e martelos próprios também são fundamentais. Você encontra facilmente em lojas de artesanato, de todos os tipos e para todos os gostos.

Caranguejos, em minha humilde opinião, não exige qualquer tratamento especial. Claro que você pode usar a carne para outras preparações mais sofisticadas, mas quando se trata de devorar assim, ao ar livre e entre amigos, a simplicidade é o que conta.

Caranguejo 1

Para acompanhar, um “vinagrete de igreja”. Sim, este mesmo: óleo, vinagre, tomate, cebola, cheiro-verde e sal. Uma pimenta dedo-de-moça também cai bem, mas não é fundamental. Para cozinhar os bichinhos, água e cebola em quartos. Isto, para mim, já é suficiente.

De uma coisa eu não abro mão em uma boa Caranguejada: feijão preto, bem temperado e com o caldinho grosso. Uma garfada de feijão com a carne da patola devidamente separada e reservada não tem preço.

Caranguejo 3

Uma outra questão é a maneira que você encomendará seus caranguejos. Vivos, com a carapaça ou pedir para matar antes e tirar a carapaça. Eu, de novo em minha humilde opinião, peço sem a carapaça e já limpos. Acho uma coisa meio mórbida colocar os bichinhos vivos na água fria e ir aquecendo até que a temperatura os mate. Questão de gosto.

Não posso esquecer de panos (sem chances cada pessoa não ter um para si) e tigelas pequenas para ir jogando as cascas. Muitos. A falta destes singelos acessórios é a linha entre a coisa organizada (na medida do possível) e o caos total.

Caranguejo 2

No mais, risadas, cervejas, caipirinhas, música boa e a vontade de já marcar a próxima. Vamos aproveitar esta época de caranguejos aqui no sul do Brasil. Quando vemos, já vem outro defeso e ela já passou.

[box type=info]Caranguejos (também conhecidos como uaçásauçás e guaiás ) são os crustáceos da infraordem Brachyura, caracterizados por terem o corpo totalmente protegido por uma carapaça, quatro pares de patas (pereópodes) terminadas em unhas pontudas, o primeiro dos quais normalmente transformado em fortes pinças. (Wikipedia)[/box]

Print Friendly, PDF & Email
Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: