As Ostras do Araçá Silvestre

As novas aventuras do Querido Diário – Fal Azevedo
26 de dezembro de 2017
Sgroppino – Vamos brindar 2018 com charme
29 de dezembro de 2017
Mostrar todos

Sou fã de dois restaurantes de frutos do mar, um em meu estado, o Paraná e outro no vizinho Santa Catarina. Os dois em duas cidades que adoro estar. O primeiro fica em Antonina e o outro na linda Porto Belo. São o Caçarola do Joca e o Araçá Silvestre. Dois restaurantes e duas cidades que deveriam estar naquelas listas de “lugares para visitar antes de morrer”. Os dois são lugares sem afetação, mas que fazem uma comida de comer de olhos fechados, seguindo a regra básica: ingredientes frescos e de qualidade, encontrados no local. Já falei da fantástica Casquinha de Siri do Caçarola do Joca. Hoje falarei sobre as ostras que você pode saborear no Araçá Silvestre.

Ostra é o nome comum usado para designar um número de grupos diferentes de moluscos que crescem, em sua maioria, em águas marinhas ou salobras. As ostras verdadeiras pertencem à ordem Ostreoida, família Ostreidae. As ostras têm um corpo mole, protegido dentro de uma concha altamente calcificada, fechada por fortes músculos adutores. As brânquias filtram o plâncton da água.

ostra tem uma forma curiosa de se defender. Quando um parasita invade seu corpo, ela libera uma substância chamada madrepérola, que se cristaliza sobre o invasor impedindo-o de se reproduzir. Depois de cerca de três anos esse material vira uma pérola. Sua forma depende do formato do invasor e sua cor varia de acordo com a saúde da ostra. 

Atualmente, a cultura da ostra-plana (Ostrea edulis) e da ostra-portuguesa (Crassostrea angulata) é muito limitada na Europa, devido à super exploração e a doenças que dizimaram estas espécies. Oriunda do Japão, a ostra-gigante (Crassostrea gigas) foi introduzida na Europa na década de 1970. Graças ao seu crescimento rápido e à sua grande capacidade de adaptação a diferentes meios, a ostra-gigante é atualmente a ostra mais cultivada em todo o mundo, nomeadamente na Europa. No entanto, esta espécie regista presentemente índices de mortalidade significativos em diversos Estados-Membros. Começou a reproduzir se naturalmente nos Estados-Membros do norte da União, em que anteriormente não se reproduzia, originando incrustações em algumas regiões costeiras. Muitas espécies de ostra são hermafroditas e mudam de sexo, amadurecendo primeiro como machos e em seguida como fêmeas. A reprodução depende da temperatura e da salinidade da água. Antes de se fixarem, as larvas atravessam uma fase pelágica, durante a qual as correntes as podem dispersar por uma vasta área. Mudam então de forma, assumindo as formas juvenis de molusco bivalve apresentadas supra. As ostras alimentam se por filtragem da água. (Wikipedia)

Não tenho dúvidas que as melhores ostras do Brasil são cultivadas no estado de Santa Catarina, especialmente na região de Florianópolis. Porém, eu também coloco mais dois lugares em que você pode comer ostras particularmente gostosas: as praias de Penha e Porto Belo. Quando você vai ao Araçá Silvestre, em Porto Belo, e pede uma porção, elas são colhidas na hora, em frente ao restaurante, chegando a sua mesa instantes depois com um sabor único. Quem gosta de ostras sabe do que estou falando.

Como nem tudo é perfeito na vida, eu moro a 250 Km de Porto Belo. Não posso estar sempre lá, como eu gostaria. E em um belo dia de dezembro, meu amigo Roberto Battistotti, proprietário do Araçá Silvestre, bate na minha porta aqui em Curitiba com um isopor cheio de ostras. Embaladas como deve ser, ainda fechadas, com a parte mais gorda para baixo e cercadas de gelo. O trabalho que tive foi o de abri-las e saboreá-las como eu gosto: cruas, com uma pitada de sal, limão e uma gotinha de Tabasco.

Claro que faltou o visual que o Araçá Silvestre tem, a complementação com um dos pratos que o Roberto serve por lá e sua companhia na mesa, mas valeu para matar a saudade deste restaurante fantástico. Se algum dia você estiver em Porto Belo, não deixe de conhecer o Araçá Silvestre, na praia que leva o mesmo nome, Praia do Araçá. Não tem como não querer voltar sempre.

Crédito: Divulgação Restaurante Araçá Silvestre

Fica aqui meu agradecimento para o Roberto pela gentileza e amizade.  Certeza que assim que eu puder, estarei no Araçá!

Saiba mais sobre o Restaurante Araçá Silvestre!

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *