Capricho em dênde, coentro e pimentas – Karoline Nogueira

Existem pessoas que conhecemos em redes sociais em que a identificação é tanta que parece que já conhecemos pessoalmente faz anos. A Karoline Nogueira é uma delas. Mesmo sem nunca tê-la vista ao vivo, ela já é de casa, daquelas que gostamos de receber e fazemos questão de agradar sempre. O OBA Gastronomia de hoje é uma colaboração enviada por esta fotógrafa, escritora, cozinheira e amiga tão especial. Não poderia deixar de publicá-la inteira, inclusive com o conteúdo de seu email (já pedindo sua autorização).

Olá

Que coisa difícil escrever esse e-mail querido. Você me pediu a fotografia e a receita do meu “Capricho em dênde, coentro e pimentas”
A fotografia eu mando sim, com muito gosto, e pouca qualidade, porque é filha única da câmera do celular. O cheiro estava bom demais, pedia menos clique, mais ação.
Já a receita, a fórmula, essa eu não mando não. Mas não é segredo, tampouco má vontade, é inexistência de medida, de regras, acho que só tem mesmo jeitos de fazer, e aí vale o jeito que a vó ou a mãe ensinaram, o jeito que você carrega no ser.
Pra você meu amigo querido, não ficar decepcionado comigo, envio uma história:
“Receita Sentimental”
Sempre que fico meio blues, triste, cansada, sejam dias quentes ou frios (os frios são os meus preferidos) trato logo de me agradar, um vinho, uma comidinha gostosa. Foi o que aconteceu nesse dia, tinha muito barulho, muita provocação, tinha um ar de não vai dar certo, de: “amanhã não vai ser uma segunda legal”.
Fui logo avisando as crianças que ia buscar carne de siri. Eu queria mesmo comer um arroz de coentros, com crosta de siri . Mas, não sei se você lembra, essa história começou com um domingo meia boca, não tinha carne de siri, tinha cação, pescada, manjubinha… Trouxe pescada. Caminhando, contando as pedras, as pedras me contando. Cheguei e colhi coentro.
Enchi a taça de vinho, muito mais gostoso começar assim. Sempre tem uma ou outra coisa, pessoa ou situação que tira a gente do sério, e sempre tem um ou mais jeitos de tirar do sério essa coisa, pessoa ou situação, o aroma desse caldinho de peixe é um deles!
Meu querido, um solo de sax, nesse momento cairia muito bem, você escolhe a música pras próximas preparações.
Picar alho, cebola, cebolinha, coentro, tomate, pimentões coloridos, pimenta doce, dedo-de-moça, fritar no dendê, acrescentar os pedaços de peixe, tampar a panela, deixar a música se misturar aos temperos, um tanto d’água, o quanto baste, para deixar o caldo um capricho. Mais coentro, bem picado, afinal a vida mora nos detalhes e fresquinho, pra acordar a alma e lembrar que a vida é boa, apesar dos pesares. Antes mesmo de experimentar, já tinha esquecido que estava triste!

Um beijo Orlando. Feliz que você gostou! Não sei se isso é publicável, mas é pra vc!
* Querida Karoline. Não só é publicável, como uma das coisas mais adoráveis que já recebi por aqui. Meu muito obrigado. O OBA é sempre seu!

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: