Ostras – Um caso de amor ou ódio

Home / Receitas do OBA! / Peixes e afins / Ostras – Um caso de amor ou ódio

Existem alimentos que não deixam dúvidas: a pessoa ama de paixão ou odeia de morte. Não existe um meio termo, outro tipo de preparo, uma hora certa para comer. Simplesmente se gosta ou não. Ostras são assim.

Ostra é o nome comum usado para designar um número de grupos diferentes de moluscos que crescem, em sua maioria, em águas marinhas ou salobras. As ostras verdadeiras pertencem à ordem Ostreoida, família Ostreidae. As ostras têm um corpo mole, protegido dentro de uma concha altamente calcificada, fechada por fortes músculos adutores. As brânquias filtram o plâncton da água.

A ostra tem uma forma curiosa de se defender. Quando um parasita invade seu corpo, ela libera uma substância chamada madrepérola, que se cristaliza sobre o invasor impedindo-o de se reproduzir. Depois de cerca de três anos esse material vira uma pérola. Sua forma depende do formato do invasor e sua cor varia de acordo com a saúde da ostra. (Wikipedia)

Por funcionar como  um “filtro”, o local onde a ostra é retirada é de extrema importância. Águas limpas e geladas são as que fornecem as melhores ostras para o consumo. Neste quesito, o litoral sul do Brasil, em especial o de Santa Catarina, é onde encontramos as melhores. É lá que eu mato minha vontade toda vez que vou.

Ostras podem se preparadas de várias maneiras. Gratinadas, ao bafo, em ensopados, são algumas das mais usuais. A forma que eu mais aprecio é crua, bem fresca, servidas abertas em uma “cama de cubos de gelo” e temperada com gotas de limão, sal e um leve toque de molho de pimenta Tabasco. Claro que esta não é uma regra única. Você pode utilizar os temperos que preferir, como o shoyu usado nas da foto.

É desta maneira que sentimos o verdadeiro sabor deste molusco maravilhoso. Um sabor de mar autêntico invade nossas papilas gustativas e nos deixam sempre com uma sensação de quero mais. Dependendo de onde você estiver comendo, esta vontade de bis dura exatamente até a próxima ida. É o caso das ostras servidas no Araçá Silvestre, em Porto Belo e no Berro d’Água, em Zimbros.

Por do sol em Zimbros – SC

Se o seu caso for o de ódio mortal a ostras, tente um dia rever este conceito. Ostras são uma delícia e só trazem benefícios. Vala a pena se lambuzar um pouco. Depois que se acostumar, chega a hora de comprar sua própria faca para abrir ostras e aventurar-se  servi-las em casa.

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Comente