Ferran Adrià e a Criatividade

Churrasco de Domingo!
9 de novembro de 2008
Mercado Municipal de Curitiba – Hortifruti e Artesanato
11 de novembro de 2008
Mostrar todos

O que é criar?

 ” A resposta não é fácil, nem única. Pode-se estabelecer milhares de definições e todas parecerem válidas. De minha parte, tentarei dar uma resposta.

 Em primeiro lugar, é preciso diferenciar Criativadade de Invenção ( sobretudo, não as  confundir). No mundo da cozinha atual, se inventa muito pouco, mas se pode criar muito. Arriscando uma primeira definição, diria que criar é poder ver o que nem todo mundo percebe. Levando em conta que tudo já existe de alguma forma, o criador original é capaz de ter acesso ao que muito poucas pessoas percebem e, com o auxílio de seus conhecimentos, oferecer alguma coisa nova.

 A criatividade é a junção de dois elementos chaves: a vontade de fazer e a capacidade para tal. Em minha opinião, a vontade engloba uma maneira de viver, um estado de ânimo, uma ânsia de busca, uma constância no trabalho; vamos chamar a vontade de Alma da Criatividade.

A capacidade é o profissionalismo do criador. Batizaremos a capacidade com o nome de Corpo da Criatividade.

Junto a estes fatores, outros elementos desempenham papéis importantes no desenvolvimento da Criatividade. Primeiramente o cozinheiro deve saber comer. Dificilmente poderá realizar novas criações se não confia na capacidade de seu paladar para decidir se uma idéia é boa ou não.

 Outro aspecto relevante é a honestidade. O cozinheiro (ou o pintor, músico, escritor, etc.) que se propõe a criar deve partir da premissa que o novo é o que jamais foi feito e, em nenhum caso, o que ele desconhece. Ignorar em que direção se movem os criadores contemporâneos pode levar a copiar receitas que já existem. Do ponto de vista ético, não se pode censurar um cozinheiro que atue assim, mas seu esforço será inútil.

Por este motivo, a inquitude de descobrir o que se tem feito ou o que se está fazendo para atualizar-se e conhecer as últimas tendências é um fator de primeira ordem. Neste sentido, o cozinheiro deve saber assimilar o que tem conhecido sem deixar-se influenciar, o que exige um grande equilíbrio, faculdade de difícil exercício, que se aprende com a experiência. Não é a mesma coisa se cozinhar para uma pessoa que frequenta habitualmente um restaurante de comida criativa, do que cozinhar-se para outra que visita continuamente todos os restaurantes criativos do mundo. Ao primeiro, qualquer novidade, por pequena que seja, pode parecer uma surpresa; o segundo dará a esta experiência seu justo valor, em uma escala composta de inúmeros parametros.”

                                                   Ferran Adrià – “Los secretos de El Bulli”

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

0 Comentários

  1. Rosana Martineli Sperandio disse:

    Criar…é a palavra de um bom Gastrônomo!!!!Criamos, inventamos, erramos…mas no fim é bom d++++.Quero muito um dia ouvir e ver estampado que Gastronomia é a ciência e a arte caminhando juntas para nossa saúde!!!!a vontade de fazer e a capacidade para tal.Esse é nosso dom e esse é nosso espaço…

  2. Rosana Martineli Sperandio disse:

    http://www.vitoriasabor.com.br/

    Aqui vc encontra tda a programação do evento da SABORES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *