Produtores do litoral do PR buscam, no INPI, registro de indicação de procedência

Fundos de Alcachofra Alho e Óleo
10 de novembro de 2015
O melhor Sanduíche de Linguiça do Mundo
12 de novembro de 2015
Mostrar todos

Pedido foi protocolado pela Adetur Litoral no final de outubro, em Curitiba; Barreado, Balas de Banana, Cachaça e Farinha de Mandioca são os itens que buscam o reconhecimento nacional.

Muito em breve, o Paraná poderá ser detentor de novos produtos com Indicação Geográfica (IG). Quatro alimentos típicos do Litoral Paranaense já protocolaram pedido para a obtenção de registro de Indicação de Procedência (IP) junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), órgão do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior que formaliza os diferenciais de qualidade e origem de produtos fabricados no Brasil e estabelece as condições para esse tipo de registro.

Além dos Cafés Especiais do Norte Pioneiro, que conquistaram em 2012 a certificação de IP, e o Mel de Ortigueira, que obteve em setembro passado registro de Denominação de Origem (DO), os produtores da Cachaça de Morretes, da Bala de Banana de Antonina, da Farinha de Mandioca e do Barreado do Litoral, vinculados à Agência de Desenvolvimento do Turismo Sustentável do Litoral do Paraná (Adetur Litoral), entraram, no final de outubro, com pedidos de IG, para a espécie Indicação de Procedência (IP).

Cachaça Morretes

A legislação diferencia dois tipos de IG: a Indicação de Procedência e a Denominação de Origem. A consultora do Sebrae/PR, Maria Isabel Guimarães, explica que a primeira está ligada à notoriedade histórica de uma região na fabricação de determinado produto. Já a DO é um reconhecimento de fatores geográficos (clima e solo, por exemplo) como determinantes para as características do produto final.

Foram protocolados quatro pedidos de IP, sendo Morretes para Cachaça, Antonina para Bala de Banana, Litoral do Paraná para Farinha de Mandioca e Barreado. O Sebrae/PR, a Adetur e os parceiros locais apoiam esses produtores com projetos estruturantes, que visam desenvolver essas regiões, tendo como foco a certificação de indicações geográficas, junto ao INPI, certificador oficial hoje no Brasil.

deliciosamente

Segundo a consultora, há mais de dois anos, o Sebrae/PR vem acompanhando os produtores do Litoral com o intuito de dar condições para fortalecer a marca e os produtos, além da criação de uma identidade e da história dos produtos. “Ajudamos a levantar todo o tipo de informações relevantes para a obtenção do registro, como a investigação da história, gestão dos processos, dos produtos e das marcas, com o desafio de preparar as empresas para produzirem o produto dentro das especificações exigidas pelo INPI”, explica Maria Isabel.

Com a aprovação, os produtores regulamentados pela Adetur Litoral poderão utilizar um selo que identificará a procedência do produto como original daquela região. “Cada produto receberá um selo diferente, específico para o Barreado e a Farinha de Mandioca do Litoral, a Bala de Banana de Antonina e a Cachaça de Morretes, que irá identificar para o consumidor que o produto foi cultivado e produzido realmente naquela região.”

Farinha de Morretes

Após protocolar o pedido de certificação, acontece a análise da documentação enviada, que pode sugerir alterações ou solicitar mais informações dos produtos e produtores, até a efetivação do registro junto ao INPI, o que pode demorar alguns meses. “O registro vai trazer mais reputação para a região e para o produtor, vai agregar valor ao produto e criar uma identidade específica, que vai distinguir esses alimentos dos demais produtos do mercado”, garante a consultora do Sebrae/PR.

Delícias do Litoral

Para que os produtos do litoral paranaense requeressem o registro de Indicação de Procedência foram avaliados quesitos, como notoriedade, necessidade de proteção, pesquisa envolvida, geração de trabalho e renda, governança e potencial de agregação de valor.

No caso do Barreado, mais do que ser uma iguaria gastronômica, o prato é uma manifestação ligada a outras práticas culturais litorâneas. “A produção do Barreado envolve um intenso e dinâmico quadro articulando comida, turismo e desenvolvimento, que mostra que a importância do Barreado para o Paraná vai além da peculiaridade de seu preparo e de seu sabor”, garante a consultora do Sebrae/PR, Maria Isabel Guimarães.

Assim como o Barreado, a Cachaça e a Farinha de Mandioca também estão intimamente ligadas à história do Litoral. A farinha é um produto artesanal e sua identidade está atribuída ao fato de ser utilizada como um complemento indispensável do barreado e, também, por seu processo de produção, devido ao conjunto de artefatos artesanais usados até hoje na manufatura do produto.

A cachaça é outro item tradicional, cuja produção nesta região ocorre desde o século XVIII e resiste ainda hoje, adaptando-se às transformações, sem perder seu significado cultural. De acordo com os fabricantes, a cana de açúcar produzida no Litoral e o processo de produção adotado geram uma bebida com acidez, pureza e aroma diferenciados.

Já a produção de bananas se dá pelo fato da região litorânea do Estado apresentar condições climáticas ideais para o seu cultivo, que é comercializada in natura na sua maioria. Uma parte menor é utilizada como matéria prima para a produção de derivados, entre eles, a Bala de Banana.

“A maior parte dos produtores de balas de banana vem do meio rural, que enxergam no processamento do excedente da fruta uma forma de diversificação, o que justifica os quesitos de geração de trabalho e renda, e potencial de agregação de valor”, finaliza a consultora.

Esta é uma iniciativa que o OBA Gastronomia apoia demais, como apreciador de todas as delícias que o litoral paranaense oferecem, assim como as dificuldades enfrentadas por estes bravos promotores de nossa cultura.

Aproveite e aprenda a  preparar o Barreado.

Fonte da fotografia da bala: Site Bala de Banana de Antonina.

Print Friendly, PDF & Email
Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: