Guapê

Bet’s Pasta & Burger – Paranaguá
20 de Janeiro de 2011
Casa do Barreado – Paranaguá
22 de Janeiro de 2011
Mostrar todos

O “Brinco-da-viúva”.

Pensem em uma frutinha roxa, a mais roxa que já viram.

Nesta passagem por Paranaguá, conheci o Guapê mais de perto. No hotel que estou hospedado, duas árvores gigantescas e frondosas deixam seus frutos caírem, manchando tudo o que tocam.

Chamada também de jamelão, jambolão, baga-de-freira e jalão, o guapê é uma fruta de origem indiana. Sua árvore pode chegar a 10 metros de altura. O fruto é arroxeado e possui um único caroço. A polpa é carnuda, com sabor adstringente, porém agradável.

A fruta é pouco resistente e difícil de ser colhida. Por manchar tudo o que toca, o Guapê não é muito plantado e nem comercializado, ficando restrito ao local onde nasce, quase que espontâneamente.

Na região Nordeste é também conhecida por Brinco-de-viúva. Seu emprego na gastronomia, pelo que vi aqui em Paranaguá, restringe-se a sucos, licores e conservas. Na Índia, é utilizada no preparo de tortas.

Segundo a tradição hindu, Rama alimentou-se somente desta fruta na floresta por 14 anos durante o seu exílio de Ayodhya. Devido a isto, muitos hindus denominam o Jamelão o “fruto dos deuses”, especialmente em GujaratÍndia, onde é conhecido localmente como jamboon.

Senhor Krishna e outros protagonistas da mitologia hindu foram descritos como tendo a pele da cor do Jamelão. (Wikipedia)

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

15 Comentários

  1. Tatiana disse:

    Olá! Acompanho o seu blog e está sendo muito legal os seus posts sobre a minha cidade natal!!!

    Existiam árvores de guapê na frente da minha casa, quando pequena a diversão era passar o dia inteiro na arvore comendo, no fim do dia as roupas ficavam manchadas… O ruim é que se você deixar o carro embaixo e o sol bater, mancha a pintura…

    Se você ficou neste hotel, não pôde deixar de ir na Casa do Barreado, é ali ao lado e aonda se conheçe o verdadeiro barreado, o Parnanguara! Sim, o barreado nasceu em Pguá, Morretes só o adotou comercialmente.

    Abços

  2. Hilmara R.Wiest Zechner disse:

    Adorei relembrar minha infância em Paranaguá;moro hoje,em Curitiba e sei bem o que esta frutimha representa para os parnanguaras.De todos que conheço,não há um que não tenha subido num guapezeiro para se deliciar numa tarde de verão.As mães ficavam loucas pois,chegávamos em casa literalmente “roxos” de tanto comer guapê.Uma fase inesquecível de minha vida!Obrigada por me fazer relembrar disso tudo!:D

  3. lucia do amaral disse:

    Sou Parnanguara e sempre falo desta frutinha p conhecidos e eles nunca ouviram falar. saberia onde encontrar mudas . obrigadao

  4. Leonardo disse:

    Estava a tempo procurando uma fruta que representa-se o nosso litoral para fazer uma cerveja artesanal, quando um amigo me deu este toque, guapê, rs. E ainda acho um monte de Paranaguaras no primeiro site sobre guapê que vou procurar, muito legal.
    Em breve em Paranaguá, nossa fruit lambic Ozean Jamboon,vou começar a bolar a receita.
    Alguém lembra com exatidão o início da produção, para eu ficar esperto?

  5. TENHO UM PÉ DESSA ÁRVORE NA MINHA CASA DA PRAIA EM IPACARAÍ-MATINHOS-PR. REALMENTE OS SEUS FRUTOS MANCHAM TUDO QUE TOCAM.

  6. TENHO UM PÉ DESSA ÁRVORE NA MINHA CASA DA PRAIA EM IPACARAÍ-MATINHOS-PR. REALMENTE OS SEUS FRUTOS MANCHAM TUDO QUE TOCAM.

  7. Eita! Que eu tambem nasci nesta deliciosa terrinha e moro em Curitiba, quanta saudades daquelas tardes de verão, na Vila Guarani onde me criei, na frente the igreja, ao lado do campo, tinham treis guapezeiros enormes, nós jogavamos bolinha embaixo deles, e subiamos pra comer guapê, e tambem caçavamos as sabias que iam comer guapê, e assistíamos as partidas de futebol amador the epoca1963. Quanta peraltice não aprontei embaixo daquelas lindas árvores.Aquelas árvores fazem parte the minha infância em Paranaguá….Gente que saudades, ah se eu pudesse voltar aquela época!

  8. Frank Deboe disse:

    Eita! Que eu tambem nasci nesta deliciosa terrinha e moro em Curitiba, quanta saudades daquelas tardes de verão, na Vila Guarani onde me criei, na frente the igreja, ao lado do campo, tinham treis guapezeiros enormes, nós jogavamos bolinha embaixo deles, e subiamos pra comer guapê, e tambem caçavamos as sabias que iam comer guapê, e assistíamos as partidas de futebol amador the epoca1963. Quanta peraltice não aprontei embaixo daquelas lindas árvores.Aquelas árvores fazem parte the minha infância em Paranaguá….Gente que saudades, ah se eu pudesse voltar aquela época!

  9. Joaquim Herrera da Silva - São Paulo disse:

    Moro em São Paulo mas sou um parnanguara da gema. É uma pena os nossos químicos não estudarem mais a fundo essa fruta, de vez que a cor roxa, bem forte, denota grande quantidade de antocianina, tão necessária em nosso organismo para o combate dos radicais livres e também do diabetes. Portanto, fica aqui a sugestão. Abraços.

  10. ALBERTO disse:

    POR FAVOR GOSTARIA DE RECEBER ALGUMA SEMENTES DE GUAPÊ. DESDE JÁ AGRADEÇO. MEU E-MAIL É arion.hee@bol.com.br

  11. marcio disse:

    boa tarde eu sou policial militar , e no quartel onde trabalho aqui em Paranaguá, tem uma arvore de guape muito linda e esta na época de dar seu fruto , e essa semana levei meus filhos no quartel comigo , e eles resolveram colherem o fruto do guape, e foi muito legal , conseguimos colher uma sacola grande e comemos tudo, e é muito gostoso,e é por isso que resolvemos pesquisar quais são os benefícios da fruta, e e ficamos surpresos quais são os benefícios, e sempre que puder comer desse fruto estaremos comendo. marcio velozo, paranaguá-pr

  12. igor disse:

    Esta fruta tb tem muito aqui em Florianópolis-SC, são chamadas de jambolão, comia muito quando era criança e ainda hoje, quando passo perto de algum pé de jambolão sempre pego para comer.

  13. Hugo disse:

    Caraca fico surpreso como esta fruta tem história, moro em londrina PR aqui tem várias arvores com este fruto porém aqui conhecemos por jambo ou guapê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *