Fala, Fal!

Mercearia Bresser
11 de julho de 2010
Zuppa di polpo e fagioli
12 de julho de 2010
Mostrar todos

Bendito é o fruto, Paul!

A Linda Fal…e eu não poderia deixar de homenagear Paul, o Polvo. E, claro, a Espanha!

Bendito é o fruto

Alguns são descritos como animais que têm os corpinhos segmentados, membros articulados em número par e exoesqueleto quitinoso. Dizem que eles pertencem à categoria dos artrópodes (categoria à qual também pertences minhas arquiinimigas, as aranhas). Os outros, a competente bióloga Dra. Carina Rizzi, diz serem moluscos, pertencentes a um grande filo de animais invertebrados, marinhos, de água doce ou terrestres e que se distinguem por terem corpo mole. Ui.

Resumindo, os bichinhos têm muitas perninhas. Anteninhas, olhinhos estufados, corpinhos esquisitos e às vezes, ventosas. Jeitinho de coisa nojenta, eu concordo. E as cores? Marronzinhos, beges, roxinhos, dá nervoso só de olhar. Hum, e gosmentos. Jesus Cristo, eles são gosmentos!

Alguns deles são até cascudinhos, valha-nos Deus.

Os do primeiro grupo, primos da aranha, são os crustáceos, ou seja, as lagostas, os camarões e os siris. Os do segundo tipo são os mexilhões, as ostras e as vieiras, moluscos bivalves e as lulas e polvos, os moluscos cefalópodes.

Epa. Opa. Camarões? Lagostas? Lulas? Até que esses bichecos começam a parecer simpáticos.

Eles são os frutos do mar, e nós somos doidos por eles. Quando fresquinhos e bem preparados, é coisa de comer chorando.

A vida inteira nós amamos camarão. Imagine a cena, querido leitor.

Eu com uns seis anos. O Pedrão, uns quatro. Fomos com nossos pais para um hotel na Bahia. Os velhos tinham que participar dum tal congresso médico e só podiam passear conosco por aquelas lindas igrejas e ladeiras pelas manhãs, de modos que nós, os filhos, passávamos as tardes na piscina do hotel. Ora bolas, eu era uma senhorita de seis anos, já sabia assinar meu nome muito bem assinadinho, certo? Certo. E então, papai ensinou a filhinha que, se ela ou o irmãozinho quisessem um suquinho (éramos terminantemente proibidos de tomar refrigerantes, a não ser no colo do nosso avô Affonso, mas… essa é outra história) e até talvez, quem sabe, uma “porçãozinha de camarão, queridos, aquele bichinho fritinho que vocês adoram!”, eu podia pedir ao garçom, e ele traria. Papai já havia alertado a gerência sobre a nossa situação e tudo bem. Passávamos, Pedrão e eu, as tarde naquela piscinona, nadando, nadando, nadando, ficando cada vez mais pretinhos… e comendo camarão. Mas aí…. aí, chegou o dia de ir embora, tudo o que é bom acaba. E o velho foi pagar a conta. E papai viu a quantidade de notinhas que a filhinha havia assinado nas tardes de folguedos. Não sei mais os números exatos, mas era coisa assim de juntar Jesus, Maria e José. Dava pra alimentar todo um pequeno país com os camarões que nós comemos — falo nós para aliviar a minha culpa, porque fui eu quem comeu mais.  Meu pai olhava praquele bolo de notinhas depois olhava pra aquela menininha gorducha e preta e se perguntava onde tinha ido parar a filhinha branquela e responsável que ele havia deixado ali dez dias atrás. Pagou, pai resignado que era, comentou com minha mãe que não entendia como é que eu não tinha tido um piriri avassalador e eu fiquei terminantemente proibida, daí pra frente, de me aproximar de notinhas de hotel por muitos e muitos anos.

Frutos do mar são, sem trocadilho, a minha praia.

Achei essa listinha nas minhas andanças pela rede, que nos ensina a aproximar o consumo per capta dessas coisinhas totosas, quando vamos cozinhar pros amigos:

Camarões (limpos)

Pequenos 40-60 unidades por quilo

Médio 20-40 unidades por quilo

Grande 10-20 unidades por quilo

250 g por pessoa

Polvo/Lula (limpos): 250 g por pessoa.

Marisco (limpo): 200 g por pessoa.

Peixe Inteiro: 500 g por pessoa

Filés: 200 g por pessoa

Postas: 300 g por pessoa

Salmão Defumado: 100 g por pessoa

Hum, e aí, as receitas. Uia, comer frutos do mar é uma delícia, mas eles têm que ser feitos por gente competente. Que entenda do riscado. Com experiência. Se não é seu caso, tenha a humildade de chamar aquela sua amiga que entende pra te ensinar. Ou de fazer um curso. Fruto do mar é coisa séria.

MARISCOS RÁPIDOS

Ingredientes

1 quilo de mariscos

1 copo de vinho branco

1 copo de caldo de peixe

2 cebolas picadas

Salsa

Azeite

1 colher (sopa) de manteiga

Como fazer

Refogo as cebolas no azeite e depois jogo na mesma panela o caldo de peixe e o vinho branco. Deixo apurar bem muito, deixo reduzir barbaridade.

Quando reduziu até sobrar coisa como um dedo de líquido na frigideira, eu jogo os mariscos. Marisco, camarão, lula, esses bichinhos todos, têm que ficar pouco tempo no fogo, sob pena de você servir borracha pra turma. Enestão vigia os seus marisquinhos de perto, fio. Não atenda o telefone, não se distraia, não se mexa. Ni qui-qui eles mudarem de cor, jogue a manteiga dentro, acerte o sal e consulte seu pessoal pra saber se eles querem que você jogue salsinha também (eu adoro, mas tem uns fariseus que detestam) e sirva. Beba um bom branco seco enquanto come essa delícia.

RISOTO DE SIRI DA DRA CAM

Siri é o seguinte. Se você compra os bichinhos cascudos, ferve os pobrezinhos e depois e fica lá tirando carninha por carninha, meus parachoques.

Eu compro a carne já devidamente separada do corpinho cascudo de seu anfitrião e estamos conversados.

Ingredientes

2 copos de arroz arbório

2 litros de caldo de peixe (o caldo já deve estar fervendo)

2 cebolas picadas

3 colheres (sopa) de manteiga

1 quilo de carne de siri

1 copo de vinho branco seco

1 copo de creme de leite fresco

Azeite

Como fazer

Numa panela, coloco azeite e a cebola picada. Deixo a cebola lá ficando transparente. Daí, coloco o vinho branco e deixo evaporar, pero no mucho. Depois, coloco o arroz, com uma colher de manteiga e mexo. Aí, começa aquela lenga-lenga de todo risoto: coloco uma concha de caldo, continuo mexendo, quando o arroz estiver secando novamente coloco mais uma concha do caldo e mais uma, e mais uma, e mais uma… Quando o arroz estiver al dente, coloco a carne de siri e mais caldo, sempre mexendo. Quando seca o caldo todo, vem a pergunta que vale um milhão de dólares: coloco creme de leite fresco ou não? Os puristas têm ataques quando nego coloca creme de leite no risoto. Eles dizem que o amido do arroz dá liga e que colocar creme de leite é besteira. Detesto os puristas, mas nesse risoto eles têm certa razão. Experimente, cozinha é tentativa e erro. Faça uma vez com creme de leite, uma vez sem. E me convide, nas duas vezes. Desligue o fogo, joga mais duas colheres de manteiga e a noz moscada, acerte o sal e sirva. Deixe o queijo ralado na mesa, que cada um decide se quer ou não. O meu é sem, muito obrigada.

MACARRÃO DA MABELE

Ingredientes

2 quilos de lula limpa

¼ de litro de caldo de peixe

½ litro de creme de leite fresco

1 pacote de espaguete

2 colheres de manteiga

Como fazer

Numa panela coloco o caldo e deixo ferver. Quando ferver, coloco as lulas. Deixo ferver mais e mais. Ferveu? Desligo o fogo, junto a manteiga, o creme de leite e meto o mixer dentro da panela. Hã? É. Reduzo aquilo a um creme grosso, lilá, a coisa mais linda, e jogo em cima do macarrão cozido. Costuma-se comer em prato fundo, com um guardanapão amarrado ao pescoço e chorando.

Print Friendly, PDF & Email
Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

3 Comentários

  1. Chef Mauro Poddesu disse:

    adorei a meteria… Parabéns!! Hoje vou atras de siri e faço o Risotto…. me deo agua na boca somente lendo a receita!

  2. Isa disse:

    😀
    poderia passar dias e dias a ouvir esta história :)))
    Delicioso. Bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: