Um bilhete – Fal Azevedo

Um Tabasco para chamar de seu
5 de Março de 2015
Peras Saint Charles – Jean Charles – Havana’s Le Deck – Porto Belo
9 de Março de 2015
Mostrar todos

Quem acompanha o OBA Gastronomia há tempos, conhece a Fal Azevedo, minha escritora preferida e que escreveu crônicas fantásticas para este site. Por falta de tempo deixou de escrever, mas nunca saiu de meus posts favoritos. Hoje, de uma maneira que só a Fal sabe fazer, ela me deu a notícia que voltará a enviar suas lindas crônicas, para deleite de nossos leitores e para minha imensa alegria.

Seja bem vinda novamente, Falzinha! O OBA é seu!

Fal letras

Só um bilhete

Fui criada por uma mãe que não tem o menor pendor para os serviços do lar. Nada. Zero. Depois que fiquei viúva, voltei a viver com ela e, porque minhas habilidades domésticas também são nulas, nossa casa é uma bagunça. Contamos com uma faxineira que vem toda semana, uma vez por mês ou a-cada-morte-de-papa, dependendo do estado (quase sempre lastimável) da minha condição financeira, mas a verdade é que o dia a dia é feito (ou não) por nós duas. Apesar de não ser uma rainha do lar, essa mãe que me criou sempre cozinhou como uma danada.

Fui criada por uma avó materna, dona Cida, e um avô paterno, o Velho Affonso, que cozinhavam muito, muito, muito bem.

Aprendi a cozinhar observando. Olhando o que eles faziam e tentando fazer igual.

Quando me casei, Alexandre se espantou que eu pudesse ser uma dona de casa tão péssima (ele mesmo era um incrível dono de casa, a faxina dele era imbatível) e tão boa cozinheira: até me conhecer, ele achava que dotes domésticos eram um pacote.

Nós nos acostumamos a uma deliciosa rotina: eu cozinhava e ele fazia todo o resto. Eu sei, eu sei, sou uma sacana. Mas era assim.

Quando ele morreu, parei de cozinhar. Claro: lasanha congelada, pipoca de micro-ondas, mingau de farinha láctea, miojo e ovo frito não contam.

Devagar, incrivelmente devagar, recomeço a cozinhar. Uns tantos risotos, na verdade, nada além disso.

E me lembrei do quanto eu gostava disso. Do quanto sou boa nisso. E de como cozinhar me faz feliz.

Tenho cozinhado para amigos, para minha mãe, para mim. E este é só um bilhete para dizer que, se o Chef Orlando me quiser de volta, meu diário de comidinhas será aqui, nesse site que adoro, com esse Chef que adoro.

Até já

Um beijo

Fal

* Leia todas as Crônicas da Fal Azevedo no OBA Gastronomia.

 

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

10 Comentários

  1. Chef Orlando só não te quer de volta se for louco. Coisa que de fato ele é, mas nem tanto.

  2. Emma Bovary disse:

    Que bom ler voce ainda mais!

  3. Lúcia Soares disse:

    Oba! Já colocando no “Favoritos”. Fal, você é 10. Beijos.

  4. Fal…lhe amo e digo quero comer tua comida!

  5. Samarone Dias disse:

    Saudade das crônicas gastronômicas!!! Chef Orlando é lá louco de não te querer!?! Claro que não!!hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *