Fala, Fal! – Os colos da Fal

Quartas gastronômicas no VOX
15 de agosto de 2010
Fast Food caseiro
17 de agosto de 2010
Mostrar todos

Os colos da Fal.

Fal Azevedo sempre emocionante!

Colo

Tinha vezes que eu chegava à chácara da minha avó Cidona (em Dois Córregos, no interior do estado de São Paulo), descia do carro e … estava na cara, no olhar, nos ombros arqueados, na voz rouca. Eu precisava de colo. Minha avó me beijava (e olha que a velha não era muito de beijo) e ia fazer meu colo favorito: mingau.

Tem aqueles dias em que não adianta: você quer colo, você quer conforto, você quer cafuné. Você não quer ser essa mulher-moderna-de-comercial-de-absorvente, você não quer ser uma “guerreira”, “aquela que batalha”, “aquela que resolve tudo”. Você quer ser, sim, transportada para um passado mais simples, você quer ser uma pessoa sem problemas e sem grandes expectativas, você quer apenas segurança, calor e a ilusão breve, breve, de que está tudo bem, o mal sempre perde e de que nada mudará. Você quer uma Comida-de-Colo.

Nina Horta, no seu livro “Não é Sopa”, define isso magistralmente: “… é aquela que consola, que escorre garganta abaixo quase sem precisar ser mastigada, na hora de dor, de depressão, de tristeza pequena.”

É isso. A Comida-de-Colo aparece quando não se quer (e nem se pode com) nada muito quente, muito frio, muito doce, muito amargo. Comida-de-Colo é aquela que está ali, como um amigo querido, cuja presença silenciosa acalma, ampara. Nada de ingredientes complicados, listas de supermercado, horas e horas de preparo, escolha de vinho, nada disso.

E, outra coisa, nessa categoria de comida de colo, como em quase tudo na vida, aliás, cada um, com seu cada um. A jornalista Natascha Maranhão, gosta de (pasmem vocês) macarrão frio, para se sentir segura e protegida. A advogada e escritora Cam Seslaf me escreve dizendo preferir: “Cabelinho-de-anjo com bastante manteiga e queijo ralado por cima, debaixo das cobertas, de preferência. Não falha quase nunca.”

Já esta vossa amiga, agora que perdeu a avó e não encontra quem lhe faça o mingau perfeito, busca refúgio e abrigo das intempéries num bolo materno e no manjadíssimo pudim de leite, quando a crise é pequena e dá tempo de preparar.

Quando a coisa é feia e o tempo urge, eu mamo numa lata de leite condensado mesmo, e estamos conversados.

PUDIM DE LEITE CONDENSADO CLÁSSICO

Ingredientes

1 lata de leite condensado

1 lata de leite integral

3 ovos inteiros

Para caramelizar a forma:

6 colheres (chá) de açúcar

Como fazer

Eu bato o leite condensado, o leite e os ovos no iquidificador. Aí, caramelizo uma forma de pudim com o açúcar. Asso em banho-maria, em temperatura média, prestando atenção no seguinte: é preciso que o pudim esteja firme, douradinho, mas não muito duro, porque depois de esfriar ele endurece mais um tiquinho.

Orlando Baumel
Orlando Baumel
Chef de Cozinha, músico e sócio do site junto com a Carol. Casado, pai de 3 lindas garotas.

5 Comentários

  1. Carol ainda não teve coragem de conhecer o leite condensado, e olha que eu ofereço sempre, risos.

    Na hora do aperto eu mando ver no brigadeiro de panela – e o aperto anda grande porque ando fazendo toda semana…

  2. Thaís Souza disse:

    Nunca mais uma comidinha-de-colo…

  3. Andrea disse:

    Muuuito bom o texto da Fal, como ela sabe dizer estas coisas da alma!!! E o Pudim, nham, nham! Vou fazer hoje! AGORA!!!

  4. Isa disse:

    Ahhh, adorei 🙂
    bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.